Caravana da Fraternidade

Caravana da Fraternidade
Francisco Spinelli

sábado, 15 de novembro de 2014

Herculano Pires: um convite ao futuro é o documentário em homenagem ao centenário de Herculano, com direção do cineasta Edson Audi. J. Herculano Pires foi o que podemos chamar de homem múltiplo. Filósofo, educador, jornalista, escritor, parapsicólogo, romancista, poeta, fiel tradutor de Kardec, em todas as atividades – inclusive, fora do movimento espírita – sua inteligência superior iluminada pelo espiritismo e aliada a uma cultura onímoda e humanística brilhou com grande magnitude, fazendo o público crescer espiritualmente. O espírito Emmanuel, por meio do médium Chico Xavier, declarou ser Herculano Pires "o metro que melhor mediu Kardec" e "a maior inteligência espírita contemporânea".



J. Herculano Pires



J. Herculano Pires foi o que podemos chamar de homem múltiplo. Filósofo, educador, jornalista, escritor, parapsicólogo, romancista, poeta, fiel tradutor de Kardec, em todas as atividades – inclusive, fora do movimento espírita – sua inteligência superior iluminada pelo espiritismo e aliada a uma cultura onímoda e humanística brilhou com grande magnitude, fazendo o público crescer espiritualmente.

Espírita desde os 22 anos de idade (foi menino-prodígio), ninguém no Brasil e no estrangeiro mergulhou tão fundo na obra da codificação kardeciana e ninguém defendeu mais – e com mais competência do que ele – a pureza doutrinária, que colocava acima das instituições e dos homens.

O espírito Emmanuel, por meio do médium Chico Xavier, declarou ser Herculano Pires "o metro que melhor mediu Kardec" e "a maior inteligência espírita contemporânea".

Herculano Pires: um convite ao futuro
é o documentário em homenagem 
ao centenário de Herculano, com 
direção do cineasta Edson Audi.


sexta-feira, 18 de abril de 2014

O pensamento e a vontade são para os Espíritos o que a mão é para o homem.Pelo pensamento, eles imprimem a esses fluídos tal ou tal direção;


O pensamento e a vontade são para os Espíritos o que a mão é para o homem. Pelo pensamento, eles imprimem a esses fluídos tal ou tal direção; aglomeram-nos, combinam-nos ou os dispersam; com eles formam conjuntos tendo uma aparência, uma forma, uma cor determinada(...) Algumas vezes, essas transformações são o resultado de uma intenção; frequentemente, são o produto de um pensamento inconsciente; basta ao Espírito pensar numa coisa para que essa coisa se produza."


Allan Kardec - Revista Espírita - Junho1868

Hoje comemoramos os 157 anos de O livro dos espíritos! A moral dos Espíritos superiores se resume como a do Cristo, nesta máxima evangélica:


" A moral dos Espíritos superiores se resume como a do Cristo, nesta máxima evangélica: Fazer aos outros o que queríamos que os outros nos fizessem, isto é, fazer o bem e não o mal. Neste princípio encontra o homem uma regra universal de proceder, mesmo para as suas menores ações."


Allan Kardec

Hoje comemoramos os 157 anos de O livro dos espíritos!mA Ciência e a Religião não puderam, até hoje, entender-se, porque, encarando cada uma as coisas do seu ponto de vista exclusivo, reciprocamente se repeliam.


A Ciência e a Religião não puderam, até hoje, entender-se, porque, encarando cada uma as coisas do seu ponto de vista exclusivo, reciprocamente se repeliam. Faltava com que encher o vazio que as separava, um traço de união que as aproximasse. Esse traço de união está no conhecimento das leis que regem o Universo espiritual e suas relações com o mundo corpóreo, leis tão imutáveis quanto as que regem o movimento dos astros e a existência dos seres.

Allan Kardec

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Aos Espíritas. A problemática que ele nos apresenta é o risco de fazer ao “novo”, aquilo que se criticava no “velho”.


Sob este título, Álvaro Chrispino1 lançou um livro organizando uma coletânea de mensagens psicografadas por Divaldo Franco sobre a Unificação, o Movimento Espírita e os Espíritas, de autoria de diversos Espíritos.

           
 Na introdução à obra, Chrispino expõe o conceito do Movimento Espírita como um “corpo institucional recente(...). Movimentado pela vontade superior de servir a Jesus, através das idéias superiores do Espiritismo(...)”.

            A problemática que ele nos apresenta é o risco de fazer ao “novo”, aquilo que se criticava no “velho”.

            Ao adotar o novo - a Doutrina Espírita como filosofia de vida, esquece-se, muitas vezes, do seu princípio libertador, que torna o indivíduo artífice da própria felicidade, construtor do futuro de paz a partir do presente comprometido com a transformação interior e a responsabilidade com o bem comum.

            É fundamental, no campo da religião, não reproduzir comportamentos equivocados do passado, inquisitores e acusadores, frente aqueles que não comungam as mesmas idéias ou ainda manifestam condutas não condizentes ao conhecimento espírita adquirido.

            Necessário se faz ao espírita perante o “canto de sereia do mundo” manter uma postura consciente, adequada e serena, sendo o diferencial e, apesar de suas imperfeições, o modelo do Cristo perante a humanidade.

            É imprescindível a vigilância consigo mesmo para não repetir modos autoritários de agir, resultados de atavismos do passado onde o poder arrogante se fazia presente.

            Precisa-se, como afirma o coordenador da obra, “esquecer para lembrar”: esquecer muito do que se aprende no mundo para lembrar o que se esquece como Espírito imortal reencarnado - o potencial imensurável que se tem como “Filho da Luz” que fica adormecido por apegar-se em demasia às conquistas transitórias da matéria.

            Trabalho, Solidariedade e Tolerância é o lema proposto e vivenciado pelo Codificador para servir como diretriz para o êxito de nossas vidas.
1CHRISPINO, Álvaro. Aos Espíritas: coletânea de mensagens sobre unificação, o movimento espírita e os espíritas. Diversos Espíritos psicografado por Divaldo Franco. Salvador, Ba:LEAL, 2005.

sábado, 24 de agosto de 2013

Com a fraternidade, filha da caridade, os homens viverão em paz, se poupando os males inumeráveis que nascem da discórdia, filha, a seu turno, do orgulho, do egoísmo, da ambição, do ciúme e de todas as imperfeições da Humanidade. eis o Credo, a religião do Espiritismo, religião que pode se conciliar com todos os cultos, quer dizer, com todas as maneiras de adorar a Deus. É o laço que deve unir todos os Espíritas em uma santa comunhão de pensamentos, à espera que uma todos os homens sob a bandeira da fraternidade universal.O credo, a religião do Espiritismo



Autor: Allan Kardec

Crer em um Deus Todo-Poderoso, soberanamente justo e bom; crer na alma e em sua imortalidade; na preexistência da alma como única justificativa do presente; na pluralidade das existências como meio de expiação, de reparação e de adiantamento intelectual e moral; na perfectibilidade dos seres mais imperfeitos; na felicidade crescente na perfeição; na eqüitativa remuneração do bem e do mal, segundo o princípio: a cada um segundo as suas obras; na igualdade da justiça para todos, sem exceções, favores nem privilégios para nenhuma criatura; na duração da expiação limitada à da imperfeição; no livre arbítrio do homem, que lhe deixa sempre a escolha entre o bem e o mal; crer na continuidade das relações entre o mundo visível e o mundo invisível, na solidariedade que religa todos os seres passados, presentes e futuros, encarnados e desencarnados, considerar a vida terrestre como transitória e uma das fases da Vida do Espírito, que é eterno; aceitar corajosamente as provações, tendo em vista o futuro mais invejável do que o presente; praticar a caridade em pensamentos, em palavras e em ações na mais ampla acepção da palavra; se esforçar cada dia para ser melhor do que na véspera, extirpando alguma imperfeição de sua alma; submeter todas as suas crenças ao controle do livre exame e da razão, e nada aceitar pela fé cega; respeitar todas as crenças sinceras, por irracionais que nos pareçam, e não violentar a consciência de ninguém; ver, enfim, nas diferentes descobertas da ciência a revelação das leis da Natureza, que são as leis de Deus: eis o Credo, a religião do Espiritismo, religião que pode se conciliar com todos os cultos, quer dizer, com todas as maneiras de adorar a Deus. É o laço que deve unir todos os Espíritas em uma santa comunhão de pensamentos, à espera que uma todos os homens sob a bandeira da fraternidade universal.



Com a fraternidade, filha da caridade, os homens viverão em paz, se poupando os males inumeráveis que nascem da discórdia, filha, a seu turno, do orgulho, do egoísmo, da ambição, do ciúme e de todas as imperfeições da Humanidade.



O espiritismo dá aos homens tudo o que é preciso para sua felicidade neste mundo, porque lhes ensina a se contentarem com aquilo que têm; que os Espíritos sejam, pois, os primeiros a aproveitarem os benefícios que ele traz, e que inaugura entre eles o reino da harmonia, que resplandecerá nas gerações futuras.



Os Espíritos que nos cercam aqui são inumeráveis, atraídos pelo objetivo que nos propusemos em nos reunindo, a fim de darem aos nossos pensamentos a força que nasce da união.



Doemos àqueles que nos são caros uma boa lembrança e um testemunho de nossa afeição, os encorajamentos e as consolações àqueles que deles têm necessidade. Façamos de maneira que cada um receba a sua parte dos sentimentos de caridade benevolente, da qual estaremos animados, e que esta reunião traga os frutos que todos estão no direito de esperá-los.



Texto retirado do discurso de abertura proferido por Allan Kardec à Sessão Anual Comemorativa dos Mortos, na Sociedade de Paris, em 1o de novembro de 1868, sob o tema “O Espiritismo é uma Religião?”. O conteúdo pode ser lido integralmente na Revista Espírita, Jornal de Estudos Psicológicos, 11º ano, nº 12, de dezembro de 1868 – Revue Spirite Journal d’Études Psychologiques, publié sous la direction de ALLAN KARDEC.

sábado, 13 de julho de 2013

Fé sem Igrejismo. 11 minutos de Excelente abordagem,

video


http://www.youtube.com/watch?v=RUlWnJqo8uA

DESENCARNA HERMÍNIO MIRANDA. Afirmou Kardec, em O que é o Espiritismo que “o Espiritismo tem também seus estudiosos” e que “quem quer se esclarecer não colhe informações numa única fonte; somente depois do exame e da comparação se poderá tirar uma conclusão“. Em obediência a estas afirmações, Hermínio Miranda foi, de fato, um verdadeiro estudioso da Doutrina Espírita e um de seus principais e mais notáveis pensadores do século XX e XXI. As suas obras são verdadeiras obras-primas do pensamento espiritista e se tornam leitura obrigatória para todo aquele que afirma ser espírita. Elas já eram obrigatórias, contudo, ante o desencarne deste fantástico pensador, é um dever moral dos espíritas dedicarem-lhes atenção e um estudo profundo.

                                                    Hermínio (05/01/1920 - 08/07/2013)

Afirmou Kardec, em O que é o Espiritismo que “o Espiritismo tem também seus estudiosos” e que “quem quer se esclarecer não colhe informações numa única fonte; somente depois do exame e da comparação se poderá tirar uma conclusão“.
Em obediência a estas afirmações, Hermínio Miranda foi, de fato, um verdadeiro estudioso da Doutrina Espírita e um de seus principais e mais notáveis pensadores do século XX e XXI.
As suas obras são verdadeiras obras-primas do pensamento espiritista e se tornam leitura obrigatória para todo aquele que afirma ser espírita. Elas já eram obrigatórias, contudo, ante o desencarne deste fantástico pensador, é um dever moral dos espíritas dedicarem-lhes atenção e um estudo profundo.
Como afirma o Jáder, logo abaixo em mensagem que ora reproduzimos, a lista de interesses do Hermínio é vasta e todos os seus livros tem muito a acrescentar em conhecimento e cultura aos Espíritas.
Livros como A Memória e o Tempo (que já foi objeto de resenha neste blog), Alquimia da Mente, Diversidade dos Carismas, Condomínio Espiritual, O Estigma e os Enigmas, Arquivos Psíquicos do Egito, Swedenborg, uma análise crítica (tão ao gosto do estilo de análise deste blog), O Evangelho Gnóstico de Tomé, Diálogo com as Sombras, As Sete Vidas de Fénelon, Cristianismo: a mensagem esquecida, e Autismo, uma leitura espiritual são alguns dos cerca de 45 livros publicados.
É uma perda enorme a sua partida, mas, com bem sabemos, a hora de partir é sempre exata. Não há o que lamentar no desencarne de tão valoroso irmão, a não ser um sentimento de que o trabalho de Hermínio deve ser objeto de um estudo atento e profundo. Com certeza nossos irmãos, do lado de lá, estavam ansiosos com o regresso dele. Vai, Hermínio, que Deus te permita outras oportunidades para voltar entre nós e nos iluminar com este vasto conhecimento que tu possuis.
O desejo que fica agora é o de ver a sua vida ser contada em um livro, como foi feito com tantos, como Chico Xavier, J. Herculano Pires, o próprio Kardec, entre tantos outros. Que a espiritualidade encontre algum irmão com inspiração e talento suficientes para contar a vida deste fantástico pensador em um livro. Já que não foi feito enquanto ele ainda estava encarnado, que seja agora que está na companhia dos bons espíritos!
Siga em paz querido irmão, escriba e professor. Enquanto teu espírito retorna á pátria, teu legado segue conosco nos iluminando!

"O pássaro agora voa liberto. Nós, que não mais podemos vê-lo, já sentimos saudades do seu canto."
Jáder Sampaio


Na década de 80 a União Espírita Mineira, em associação com a Aliança Municipal Espírita de Belo Horizonte, trouxe três estudiosos do espiritismo para um seminário sobre mediunidade. Jorge Andréa dos Santos, Suely C. Schubert e Hermínio C. Miranda.


Hermínio estava incomodado com o púlpito. Não era expositor, dizia, apenas escritor. Assentado, com um maço de páginas nas mãos, começou a ler seu discurso. E que discurso! Superado o impacto inicial de ouvir uma leitura, as palavras dele criavam vida após sair do papel. Eram tantas informações e com tanta elegância, que eu me dividia entre as anotações furiosas que fazia e a atenção necessária para acompanhar cada nuance, cada expressão, cada frase. Se ele temia o público, arrisco minha opinião póstuma: ele fez bonito!


Hermínio era reservado, tinha uma personalidade anglo-saxônica. A esposa completava-lhe o que lhe faltava. Recordo-me dela expansiva, simpática, calorosa. Os dois formavam um belo casal, cada um admirado por suas qualidades díspares.


Hermínio já era nonagenário, com extensa contribuição ao espiritismo e ao movimento espírita. Durante anos manteve uma coluna no Reformador, chamada "Lendo e Comentando". Ela trouxe aos trópicos de forma sistemática o que se pesquisava sobre comunicação dos espíritos e reencarnação nas terras anglófonas. Creio que das páginas do Reformador saiu o material para a composição dos livros "Sobrevivência e Comunicabilidade dos Espíritos" e "Reencarnação e Imortalidade".


Um de seus trabalhos sistemáticos foi com o atendimento aos espíritos. Apesar da personalidade reservada, ele mostrava um senso de percepção incomum e uma capacidade de diálogo transformadora. Como gravasse seus atendimentos, pode nos oferecer uma quadrilogia de livros intitulada "Histórias que os espíritos contaram", hoje publicada pela editora Correio Fraterno. A teoria do seu trabalho diferenciado, no qual incluiu técnicas dos magnetizadores do século XIX, encontra-se em dois livros: Diálogo com as sombras (FEB) e Diversidade dos Carismas (Lachâtre).


As incursões pelo magnetismo não se restringiram ao mundo das sombras, e ele fez sessões de regressão de memória com algumas pessoas. Luciano dos Anjos foi um sujet pleno de recordações da França revolucionária, que ele registrou no livro "Eu sou Camille Desmoulins", publicado em 1989, no bicentenário da revolução francesa, com uma explicação do autor que assegurava não ter podido publicar antes, e não estar se aproveitando das comemorações. Para quem agora escreve, seria uma simetria histórica.


Simetria histórica é um dos conceitos que ele desenvolveu e que foi empregado em muitos dos seus livros. As Marcas do Cristo (FEB), é um exemplo deste tipo de trabalho, no qual Hermínio compara a personalidade e história de Paulo de Tarso com a de Martinho Lutero. Este conceito seria empregado pela Dra. Nadia Luz, em sua tese de doutoramento em história, publicada na coleção Espiritismo na Universidade.


As biografias foram também uma de suas paixões. Ele publicou diversas, recuperando para o movimento espírita personalidades que passariam despercebidas nos dias de hoje, apesar de sua relevância. Guerrilheiros da Intolerância (Lachâtre), Hahnnemann, apóstolo da medicina espiritual (CELD), O pequeno laboratório de Deus (Lachâtre) e Swedenborg, uma análise crítica, são alguns dos exemplos.


Um de seus interesses era com a psicologia, na sua interseção com os fenômenos espirituais. Um de seus livros neste campo tornou-se best seller: Nossos filhos são espíritos (Lachâtre). Autismo, uma leitura espiritual (Lachâtre) e Condomínio Espiritual (Lachâtre) são alguns dos trabalhos com este perfil.


Creio que um dos temas que mais o intrigava era a transformação do cristianismo. Ele contribuiu com Os cátaros e a heresia católica (Lachâtre), Cristianismo, a mensagem esquecida (Lachâtre), Candeias da noite escura (FEB) e O evangelho gnóstico de Tomé (Lachâtre).


Das traduções, sua obra prima, é A história triste, de Patience Worth, que desenterrou do esquecimento juntamente com Memória Cósmica, cuja tradução está perdida em seu hard-disk.


Os livros do egito, que povoa suas recordações de além cérebro, o Edwin Drood, o livro de Dickens completado pela mediunidade e igualmente desenterrado por Hermínio, O processo dos espíritas, que reconta a injusta perseguição da sociedade francesa a um dos continuadores de Kardec, Leymarie, e muitos e muitos livros que não vou ficar citando, trazem seu nome e são frutos das suas horas de trabalho sério.


Voa, meu amigo, voa. Vai conhecer novos mundos, recordar mais vivências, reviver os tempos do Cristo. Voa bem alto, para que um dia possa retornar falando das luzes e do futuro.



Fonte: http://espiritismocomentado.blogspot.com.br/

domingo, 23 de junho de 2013

A onda de pessimismo, de descrédito e de desalento é tão grande que, mesmo aqueles que estão bem intencionados e aspirando realizar algo de construtivo e útil para o país, em qualquer nível, veem-se tolhidos em seus propósitos, sufocados nos seus anseios, esbarrando em barreiras quase intransponíveis. É preciso modificar esse clima espiritual. É imperioso que o sopro renovador de confiança, de fé nos altos destinos de nossa nação, varra para longe os miasmas do desalento e do desânimo. É necessário abrir clareiras e espaços para que brilhe a luz da esperança. Somente através de esperança conseguiremos, de novo, arregimentar as forças de nosso povo sofrido e cansado. Os espíritas não devem engrossar as fileiras do desalento. Temos o dever inadiável de transmitir coragem, infundir ânimo, reaquecer esperanças e despertar a fé! Ah! a fé no nosso futuro! A certeza de que estamos destinados a uma nobre missão no concerto dos povos, mas que a nossa vacilação, a nossa incúria podem retardar. Responsabilidade nossa. Tarefa nossa. Estamos cientes de tudo isto e nos deixamos levar pelo desânimo, este vírus de perigo inimaginável. Precisamos contagiar o nosso Movimento com estas forças positivas, a fim de ajudarmos efetivamente o nosso país a crescer e a caminhar no rumo do progresso. São essas forças que impelem o indivíduo ao trabalho, a acreditar em si mesmo, no seu próprio valor e capacidade. São essas forças que o levam a crer e lutar por um futuro melhor. Meus irmãos, o mundo não é uma nau à matroca. Nós sabemos que "Jesus está no leme!" e que não iremos soçobrar. Basta de dúvidas e incertezas que somente retardam o avanço e prejudicam o trabalho.Sejamos solidários, sim, com a dor de nosso próximo. Façamos por ele o que estiver ao nosso alcance. Temos o dever indeclinável de fazê-lo.


Diante dessa crise que se abate sobre o nosso povo, face a essa onda de pessimismo que toma conta dos brasileiros, frente aos embates que o país atravessa, nós, os seus companheiros, trazemos na noite de hoje a nossa mensagem de fé, de coragem e de estímulo. Estamos irradiando-a para todas as reuniões mediúnicas que estão sendo realizadas neste instante, de norte a sul do Brasil. Durante vários dias estaremos repetindo a nossa palavra, a fim de que maior número de médiuns possa captá-la. Cada um destes que sintonizar nesta faixa vibratória dará a sua interpretação, de acordo com o entendimento e a gradação que lhe forem peculiares. 
Estamos convidando todos os espíritas para se engajarem nesta campanha. Há urgente necessidade de que a fé, a esperança e o otimismo renasçam nos corações. A onda de pessimismo, de descrédito e de desalento é tão grande que, mesmo aqueles que estão bem intencionados e aspirando realizar algo de construtivo e útil para o país, em qualquer nível, veem-se tolhidos em seus propósitos, sufocados nos seus anseios, esbarrando em barreiras quase intransponíveis. 
É preciso modificar esse clima espiritual. É imperioso que o sopro renovador de confiança, de fé nos altos destinos de nossa nação, varra para longe os miasmas do desalento e do desânimo. É necessário abrir clareiras e espaços para que brilhe a luz da esperança. Somente através de esperança conseguiremos, de novo, arregimentar as forças de nosso povo sofrido e cansado. 
Os espíritas não devem engrossar as fileiras do desalento. Temos o dever inadiável de transmitir coragem, infundir ânimo, reaquecer esperanças e despertar a fé! Ah! a fé no nosso futuro! A certeza de que estamos destinados a uma nobre missão no concerto dos povos, mas que a nossa vacilação, a nossa incúria podem retardar. Responsabilidade nossa. Tarefa nossa. Estamos cientes de tudo isto e nos deixamos levar pelo desânimo, este vírus de perigo inimaginável. 
O desânimo e seus companheiros, o desalento, a descrença, a incerteza, o pessimismo, andam juntos e contagiam muito sutilmente, enfraquecendo o indivíduo, os grupos, a própria comunidade. São como o cupim a corroer, no silêncio, as estruturas. Não raras vezes, insuflado por mentes em desalinho, por inimigos do progresso, por agentes do caos, esse vírus se expande e se alastra, por contágio, derrotando o ser humano antes da luta. Diante desse quadro de forças negativas, tornam-se muito difíceis quaisquer reações. Portanto, cabe aos espíritas o dever de lutar pela transformação deste estado geral. 
Que cada Centro, cada grupo, cada reunião promova nossa campanha. Que haja uma renovação dessa psicosfera sombria e que as pessoas realmente sofredoras e abatidas pelas provações, encontrem em nossas Casas um clima de paz, de otimismo e de esperança! Que vocês levem a nossa palavra a toda parte. Aqueles que possam fazê-lo, transmitam-na através dos meios de comunicaçãMensagem de Eurípedes Barsanulfo - Medium Suely Caldas Schubert - 10/05/2013o. Precisamos contagiar o nosso Movimento com estas forças positivas, a fim de ajudarmos efetivamente o nosso país a crescer e a caminhar no rumo do progresso. 
São essas forças que impelem o indivíduo ao trabalho, a acreditar em si mesmo, no seu próprio valor e capacidade. São essas forças que o levam a crer e lutar por um futuro melhor. Meus irmãos, o mundo não é uma nau à matroca. Nós sabemos que "Jesus está no leme!" e que não iremos soçobrar. Basta de dúvidas e incertezas que somente retardam o avanço e prejudicam o trabalho.Sejamos solidários, sim, com a dor de nosso próximo. Façamos por ele o que estiver ao nosso alcance. Temos o dever indeclinável de fazê-lo, sobretudo transmitindo o esclarecimento que a Doutrina Espírita proporciona. Mas também, que a solidariedade exista em nossas fileiras, para que prossigamos no trabalho abençoado, unidos e confiantes na preparação do futuro de paz por todos almejado. E não esqueçamos de que, se o Brasil "é o coração do mundo", somente será a "pátria do Evangelho" se este Evangelho estiver sendo sentido e vivido por cada um de nós".

Eurípedes Barsanulfo 
Mensagem recebida no Centro Espirita "Jesus no Lar" - 10/05/2013
Medium - Suely Caldas Schubert

domingo, 10 de março de 2013

Espiritismo provém não da descoberta científica da comunicabilidade da alma, mas da percepção de que este conhecimento transformaria os conceitos humanos, desenvolvendo a moral. Sua obra não se limita na ciência, religião ou filosofia, transcende-as ao tornar-se uma obra educadora, busca convencer racionalmente, baseada em fatos vividos cientificamente, com linguagem simples para ser acessível a todos. Outros filósofos e cientistas espíritas não tiveram a envergadura educadora e o engajamento social de Kardec. Pergunto-me se poderemos completar a utopia de Kardec e transformar o Espiritismo em uma eficiente ferramenta social de educação moral em nosso tempo. Parece-me que precisamos ser mais apaixonados pela educação, mais comprometidos em agir moralmente e em estimular a autonomia, a racionalidade e a atitude científica do Homem.


ALLAN KARDEC – O EDUCADOR-Gustavo Leopoldo Daré
Perguntas me inquietam ao tentar compreender o Espiritismo. O que levou o educador Allan Kardec a desenvolver pesquisas psíquicas e lançar as bases do Espiritismo? Por que a sua obra diferencia-se de todas as outras obras espíritas?

Hippolyte Leon Denizard Rivail nasceu em Lion, França, em 1804. Dos 10 aos 15 anos estudou em Yverdon, Suíça, no célebre instituto do professor-filantropo Johann H. Pestalozzi. Frases de Pestalozzi sugerem que o ambiente em que Rivail consolidou sua personalidade, valorizava o sentimento e a educação integral através da prática, da observação e da convivência. “O principal do que digo, eu vi. E muito do que aconselho, eu fiz... Tudo o que digo repousa... em minhas experiências reais”, “A manifestação do amor é a salvação do mundo!... é o fio que liga o globo terrestre... que liga Deus e o homem”. “A educação (provém)... do reconhecimento das imutáveis leis da nossa natureza... o objetivo final da educação não é o de aperfeiçoar as noções escolares, mas sim o de preparar para a vida; não de dar o hábito da obediência cega... mas de preparar para o agir autônomo”.

Convicto do poder da educação e com forte senso de obrigação social, Rivail realizou intensa e precoce atividade literária e pedagógica. Chegou a Paris em 1820, se pôs a lecionar e a traduzir obras inglesas e alemãs. Lançou seu primeiro livro em 1823, com 18 anos. Até 1850 publicou 22 obras de ensino pré-universitário sobre pedagogia, mitologia, física, química, astronomia, fisiologia, aritmética, cálculo e gramática. Em 1825, com 20 anos, começou a dirigir uma “Escola de Primeiro Grau”. Em 1826 fundou o instituto técnico “Instituição Rivail”. Com 24 anos, escreveu em seu Plano para a Melhoria da Educação Pública: “A educação exige um estudo especial... conhecimento profundo do coração humano e da psicologia moral... a educação não se limita apenas à instrução... todas as partes... são... estreitamente ligadas...” “A grande diferença entre um professor (se limita a ensinar) e um educador (encarregado do desenvolvimento inteiro do homem)”. “Educação é o resultado do conjunto de hábitos adquiridos... resultado de todas as impressões que os provocavam”. “A inteligência deve ser desenvolvida desde cedo, como a moral, e não é sobrecarregando a memória... mas enriquecendo a imaginação de idéias justas...” Complementa em 1834: “Tudo é intelectual, tudo é moral”. “Conheça o movimento dos astros e seu espírito penetre no espaço; tudo isso está ao alcance... da adolescência. Então, não será, como um bruto, indiferente a tudo o que maravilha seu olhar; então não mais acreditará em almas do outro mundo, nem em fantasmas; não mais tomará fogos-fátuos por espíritos; não mais acreditará nos ledores de sorte... seu espírito se alargará contemplando o espaço imenso e sem limites”. Em 1857 volta a lançar livros, agora sobre Espiritismo, com o pseudônimo de Allan Kardec. Até seu desencarne, em 1869, publicou, pelo menos, 8 obras espíritas. Dos aproximadamente 188 textos que Kardec insere entre as perguntas dO Livro dos Espíritos, 39 estão diretamente relacionadas à educação. Qual força foi capaz de transformar o jovem Rivail, cético do mundo espiritual, no grande codificador do Espiritismo aos 53 anos?

Com intensa atividade intelectual e confiança na ciência para alcançar a verdade, em 1823, com 19 anos, iniciou seus estudos sobre o magnetismo. Ao longo de sua vida associou-se a 12 Academias científicas. Até meados do século XIX a ciência não era uma atividade profissional, e criavam-se academias para debater e aprimorar estes conhecimentos.

Rivail nos define a educação como um ato moral de argumentação racional. Sua confiança no método científico o fez mudar de paradigma, aceitou a existência dos Espíritos desencarnados, porém manteve-se fiel ao seu sonho, definido aos 30 anos com paixão e racionalidade: “a educação é a obra da minha vida, não faltarei à minha missão... inimigo de todo charlatanismo, não tenho o tolo orgulho de acreditar cumpri-la com perfeição, mas tenho ao menos a convicção de cumpri-la com consciência”. Seu entusiasmo com o Espiritismo provém não da descoberta científica da comunicabilidade da alma, mas da percepção de que este conhecimento transformaria os conceitos humanos, desenvolvendo a moral. Sua obra não se limita na ciência, religião ou filosofia, transcende-as ao tornar-se uma obra educadora, busca convencer racionalmente, baseada em fatos vividos cientificamente, com linguagem simples para ser acessível a todos. Outros filósofos e cientistas espíritas não tiveram a envergadura educadora e o engajamento social de Kardec.

Pergunto-me se poderemos completar a utopia de Kardec e transformar o Espiritismo em uma eficiente ferramenta social de educação moral em nosso tempo. Parece-me que precisamos ser mais apaixonados pela educação, mais comprometidos em agir moralmente e em estimular a autonomia, a racionalidade e a atitude científica do Homem.

Bibliografia:
O Livro dos Espíritos (Allan Kardec), Pestalozzi: educação e ética (Dora Incontri), Textos Pedagógicos: Hippolyte Léon Denizard Rivail (Dora Incontri), Allan Kardec: o educador e o codificador (Zêus Wantuil e Francisco Thiesen).

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Formacão dos mundos : "O Universo nao existe de toda eternidade como Deus. Se assim fosse nao seria obra de Deus."


Formacão dos mundos

a) "O Universo nao existe de toda eternidade como Deus. Se assim fosse nao seria obra de Deus."
b) " Deus criou o Universo pela sua vontade. Nada caracteriza melhor essa vontade onipotente do que as palavras da Genese - Deus disse: faca-se a luz e a luz foi
feita."
c) "O modo pelo qual podemos compreender como se deu a
formacão dos mundos e que eles se formaram pela condensacão
da matéria disseminada no espaço."
d) "Os cometas sao, comumente, um comeco de condensacao da
materia. No caso podem ser mundos em vias de formacao. Sua
influencia e como a de todos os corpos celestes, os quais
influem de algum modo, em certos fenomenos fisicos."
e) "Deus renova os mundos , assim como renova os seres
vivos".
f) "Apenas Deus conhece o tempo que dura a formacao dos
mundos"



1 - Como entender, a luz da Doutrina Espirita, as frases da
Genese:
"Deus disse: faca-se a luz e a luz foi feita." ?

Temos ai a comprovacao da vontade de Deus.
Essa frase do Gênesis hebraico representa à luz da doutrina
espírita
duas coisas:
-Deus como criador do Universo, por Sua vontade apenas;
- Curiosamente (à luz da ciência), a luz (representada pelos
fótons,
partículas muito pequenas) foi uma das primeiras coisas que
surgiu no
Universo

2 - De um modo geral como compreender a formacao dos mundos?

"Tudo o que a esse respeito se pode saber e podeis
compreender - responderam os Espiritos - eh que os mundos se
formam pela condensaçao da materia disseminada no Espaço".
(LE, 39).
Nota-se que os Espiritos nao disseram que os mundos se
formaram, mas se formam pela condensaçao da materia
disseminada no Espaço. Isto significa que a criaçao nao se
esgotou, mas continua sempre, o que foi confirmado por
Jesus: "Meu Pai ate hoje trabalha" (João, 5:17).

3 - Como podemos entender a renovacao dos mundos, segundo a
Doutrina Espirita ?

A renovação dos mundos pode ocorrer de duas formas:
-Física ou material propriamente falando, pelas situações
geológicas,
climáticas, desintegrativas (radioatividade, p. ex.) ou pela
interferência
dos seres vivos (quaisquer que sejam os reinos a que
pertençam, p.ex.,
animais, vegetais e etc.);
-Moral, pela transformação moral de seus habitantes;
Sabemos, pela doutrina espírita que concebe um Deus
providencialista, que
todos esses processos ocorrerão dentro de um esquema
harmonioso de Sua Lei
(que inclusive prevê as nossas derrocadas, corrigindo-as).

4 - De acordo com O Livro dos Espiritos, comente sobre os
cometas, estes astros viajantes do universo...

A ciência moderna já demonstrou que os cometas conhecidos
são
constituídos principalmente por gelo, gases, amônia e outros
compostos
(daí a célebre resposta dos espíritos a Kardec:"começo de
condensação da
matéria"); e também reconhece o papel dos cometas na
constituição de outros
mundos, carreando elementos e introduzindo-os quando de seu
choque com eles
ou com seus fragmentos (daí a outra parte da resposta:
"mundos em via de
formação").
Além disso, a doutrina espírita subtrai o aspecto das
crendices
freqüentementes associadas aos cometas (influências que não
as naturais, é
claro, já que há interações sobre aspectos físicos).


LIVRO DOS ESPIRITOS- Allan Kardec. Da Criacao. Parte
Primeira, Capitulo III, perguntas 37 a 42.

domingo, 6 de janeiro de 2013

A NAO CONCEPÇAO HUMANA DA DOUTRINA: A Doutrina dos Espíritos nao e de concepcao humana. Foi ditada pelas proprias Inteligencias que se manifestam, quando ninguem disso cogitava, quando ate a opiniao geral a repelia.Introducao ao Estudo da Doutrina Espirita. O LIVRO DOS ESPIRITOS- Allan Kardec, Introducao, itens XVI a XVII, pags. 45 a 47.

A NAO CONCEPÇAO HUMANA DA DOUTRINA:
A Doutrina dos Espíritos nao e de concepcao humana. Foi ditada pelas proprias Inteligencias que se manifestam, quando ninguem disso cogitava, quando ate a opiniao geral a repelia. Ora onde foram os mediuns beber uma doutrina que nao passava pelo pensamento de ninguem na Terra? Perguntamos ainda mais: por que estranha coincidencia milhares de mediuns espalhados por todos os pontos do globo terraqueo, e que jamais se viram, acordaram em dizer a mesma coisa? Se o primeiro medium que apareceu na França sofreu a influencia de opinioes ja aceitas na America, por que singularidade foi ele busca-las a 2.000 leguas alem-mar e no seio de um povo tao diferente pelos costumes e pela linguagem, em vez de as tomar ao seu derredor?
Tambem ainda ha outra circunstancia em que nao se tem atentado muito. As primeiras manifestacoes, na França, como na America, nao se verificaram por meio da escrita nem da palavra, e, sim, por pancadas concordantes com as letras do alfabeto e formando palavras e frases. Foi por esse meio que as inteligencias, autoras das manifestacoes, se declararam Espiritos. Ora, dado se pudesse supor a intervencao do pensamento dos mediuns nas comunicacoes verbais ou escritas, outro tanto nao seria licito fazer-se com relacao as pancadas, cuja significacao nao podia ser conhecida de antemao.
Poderíamos citar inumeros fatos que demonstram, na inteligencia que se manifesta, uma individualidade evidente e uma absoluta independencia de vontade. LE pag.45.

A CIENCIA ESPIRITA EH EXPERIMENTAL E FILOSOFICA: A ciencia espirita compreende duas partes: experimental , relativa as manifestacoes em geral, filosofica, relativa as manifestacoes inteligentes. Aquele que apenas haja observado a primeira se acha na posicao de quem nao conhecesse a Fisica senao por experiencias recreativas, sem haver penetrado no amago da ciencia. A verdadeira Doutrina Espirita esta no ensino que os Espiritos deram, e os conhecimentos que esse ensino comporta sao por demais profundos e extensos para serem adquiridos de qualquer modo, que nao por um estudo perseverante, feito no silencio e no recolhimento. Porque, so dentro desta condicao se pode observar um numero infinito de fatos e particularidades que passam despercebidos ao observador superficial, e firmar opiniao. Nao produzisse este livro outro resultado alem do de mostrar o lado serio da questao e de provocar estudos neste sentido e rejubilariamos por haver sido eleito para executar uma obra em que, alias, nenhum merito pessoal pretendemos ter, pois que os principios nela exarados nao sao de criaçao nossa. O merito que apresenta cabe todo aos Espiritos que a ditaram. Esperamos que dara outro resultado, o de guiar os homens que desejem esclarecer-se, mostrando-lhes, nestes estudos, um fim grande e sublime: o do progresso individual e social e o de lhes indicar o caminho que conduz a esse fim. LE pag.46/47.

A EVOLUCAO: Se se observa a serie dos seres, descobre-se que eles formam uma cadeia sem solucao de continuidade, desde a materia bruta ate o homem mais inteligente. Porem, entre o homem e Deus, alfa e omega de todas as coisas, que imensa lacuna! Sera racional pensar-se que no homem terminam os aneis dessa cadeia e que ele transponha sem transicao a distancia que o separa do infinito? A razao nos diz que entre o homem e Deus outros elos necessariamente havera, como disse aos astronomos que, entre os mundos conhecidos, outros haveria, desconhecidos. Que filosofia ja preencheu esta lacuna? O Espiritismo no-la mostra preenchida pelos seres de todas as ordens do mundo invisível e estes seres nao sao mais do que os Espiritos dos homens, nos diferentes graus que levam a perfeicao. Tudo entao se liga, tudo se encadeia, desde o alfa até o omega. LE pag. 47.



Questoes para estudo.


1 - Qual a explicação e finalidade para a concepção não humana da Doutrina Espírita?

A Doutrina Espírita é obra dos Espíritos Superiores, não apenas de um mas de uma coletividade Assim, não é obra de uma única pessoa encarnada , nem de um único Espírito. Isso confere a codificação um caráter que ultrapassa as limitações do personalismo. Também, espíritos de elevada hierarquia, comunicaram-se em diferentes partes do globo, trazendo mensagens igualmente superiores e concordantes entre si, mostrando a não influência dos médiuns no teor dessas comunicações.


2 - Como se explica, no caráter científico, seu aspecto experimental e filosófico ?

A ciência espírita possui duas partes: uma experimental que seria toda a extensa fenomenologia mediúnica, e a outra filosófica, que representa a manifestação inteligente que gera toda a consequência moral; o estudo dos dois aspecto tem "um fim grande e sublime: o do progresso individual e social e o de lhes indicar o caminho que conduz a esse fim."

3 - Qual a explicação para a afirmação de que "tudo se liga, tudo se encadeia, do alfa ao ômega"?
Ao observarmos a serie dos seres, verificamos que eles formam uma cadeia sem solucao de continuidade, ou seja de forma contínua e infinita , sem fim e, embora aparentemente exista muita distância e lacunas entre os homens e Deus, A Doutrina Espírita nos revela que nesse espaço e distância encontram-se espíritos em diferentes graus e ordens evolutivas.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Com o respeitável nome de Erasto, cujas comunicações traziam sempre o "cunho incontestável de profundeza e lógica", como disse o próprio Codificador, encontramos duas personalidades, em momentos diferentes da História da Humanidade.


Com o respeitável nome de Erasto, cujas comunicações traziam sempre o "cunho incontestável de profundeza e lógica", como disse o próprio Codificador, encontramos duas personalidades, em momentos diferentes da História da Humanidade.

A primeira, afirmativa do próprio Codificador, é de que ele seria discípulo de Paulo de Tarso (O livro dos médiuns, cap. V, item 98). A afirmativa tem procedência. Na segunda epístola a Timóteo, escrita quando prisioneiro em Roma, relata o Apóstolo dos Gentios: "Erasto ficou em Corinto." ( IV,20)

Segundo consta na epístola aos Romanos, na saudação final, este mesmo Erasto tinha cargo na cidade, pois se encontra no cap. 16, vers. 23: "Saúda-vos Erasto, tesoureiro da cidade".

Em Atos dos Apóstolos (XIX,22) lemos que Paulo enviou à Macedônia "...dois dos que lhe assistiam, Timóteo e Erasto..." , enquanto ele próprio, Paulo, permaneceu na Ásia. Interessante observar a proximidade dos dois discípulos de Paulo, pois em O Livro dos Médiuns, cap. XIX, encontramos longa mensagem assinada por ambos, a respeito do papel do médium nas comunicações (item 225). Juntos no século I da era cristã, juntos na tarefa da Codificação.

Ainda em O livro dos médiuns são de sua lavra os itens 98, cap. V, algumas respostas a perguntas constantes no item 99, itens 196 e 197 do cap. XVI, itens 230 do cap. XX, onde se encontra a célebre frase: "Melhor é repelir dez verdades do que admitir uma única falsidade, uma só teoria errônea." Finalmente, na comunicação de nº XXVII.

Em O Evangelho segundo o espiritismo, lê-se várias mensagens assinadas por Erasto. A primeira se encontra no cap. I, item 11, a segunda no cap. XX, item 4 e se intitula: Missão dos espíritas, trazendo a assinatura de Erasto, anjo da guarda do médium, aditando oportunamente o Codificador de que o médium seria o sr. d'Ambel.

As demais compõem os itens 9 (Caracteres do verdadeiro profeta) e 10 (Os falsos profetas da erraticidade), ambas datadas de 1862, sendo que na última é o próprio espírito que se identifica como "discípulo de São Paulo", o que igualmente faz no cap. I, item 11 de O evangelho segundo o espiritismo e cap. XXXI, nº XXVII de O livro dos médiuns.

A outra referência a esse espírito se encontra na Revista Espírita, ano de 1869, da Edicel, no índice Biobibliográfico, onde é apresentado como tendo sido Thomaz Liber, dito Erasto, médico, filósofo e teólogo alemão, nascido em 1524 e morrido em 1583. Foi professor de Medicina em Heidelberg e de Moral, em Basiléia.

No campo da Teologia, combateu o poder temporal da Igreja e se opôs à disciplina calvinista e à ordem presbiteriana. Sua posição lhe valeu uma excomunhão, sob suspeita de heresia, sendo reabilitado algum tempo depois.

Suas teorias tiveram muitos partidários, sobretudo na Inglaterra. Legou somas consideráveis aos estudantes pobres, sendo especialmente respeitado por seus gestos de benemerência.

De qualquer forma, o que resta incontestável, segundo Kardec, é que "...era um Espírito superior, que se revelou mediante comunicações de ordem elevadíssima..."(O livro dos médiuns, cap. XIX, item 225)

O que importa realmente é a tarefa desenvolvida à época de Paulo de Tarso e ao tempo de Kardec, por um espírito.

Encarnado, o seu grande trabalho pela divulgação das idéias nascentes do Cristianismo, em um ambiente quase sempre hostil. Desencarnado, ombreando com tantas outras entidades espirituais, apresentando elucidações precisas em favor da Codificação da Doutrina Espírita, respondendo a questões de vital importância para uma também doutrina nascente, a Terceira Revelação, o Consolador prometido por Jesus.

Fontes de consulta:
1.Revista Reformador (FEB) de outubro 1993 - Um espírito chamado Erasto
2.Atos dos Apóstolos, XIX, 22.
3.Romanos,XVI,23.
4.II Timóteo, IV, 20.
5.Revista Espírita (Edicel) ano 1869 - Índice Biobibliográfico

sábado, 15 de dezembro de 2012

VISÃO ESPÍRITA DA BÍBLIA. HERCULANO PIRES




Sinopse da Obra:
Para os espíritas, assim como para J. Herculano Pires, O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, constitui a seqüência natural da Bíblia. Não há contradição. Um integra-se no outro e a soma de ambos mostra a grandeza dos Céus e o crescimento interior dos homens!
Nesta obra Herculano demonstra a estreita relação entre as escrituras bíblicas e a terceira revelação – a doutrina espírita. Analisando diversas passagens da Bíblia, assim como as interpretações das diversas correntes religiosas, o autor demonstra, principalmente, que a Bíblia é essencialmente uma obra mediúnica.
*
"No intervalo das encarnações, aprendeis em uma hora o que vos exigiria anos sobre a vossa terra"
Allan Kardec

domingo, 18 de novembro de 2012

Missão de Allan Kardec - "A missão dos reformadores está cheia de escolhos e de perigos e a tua é rude, disso te previno, porque é o mundo inteiro que se trata de agitar e de transformar." - Espírito Verdade (Obras Póstumas)


Missão de Allan Kardec - "A missão dos reformadores está cheia de escolhos e de perigos e a tua é rude, disso te previno, porque é o mundo inteiro que se trata de agitar e de transformar." - Espírito Verdade (Obras Póstumas)


“Escrevo esta nota no dia 1º de janeiro de 1867, dez anos e meio depois que esta comunicação me foi dada, e verifico que ela se realizou em todos os pontos, porque experimentei todas as vicissitudes que nela me foram anunciadas. Tenho sido alvo do ódio de implacáveis inimigos, da injúria, da calúnia, da inveja e do ciúme; têm sido publicados contra mim infames libelos; as minhas melhores instruções têm sido desnaturadas; tenho sido traído por aqueles em quem depositara confiança, e pago com a ingratidão por aqueles a quem tinha prestado serviços. A Sociedade de Paris tem sido um contínuo foco de intrigas, urdidas por aqueles que se diziam a meu favor, e que, mostrando-se amáveis em minha presença, me detratavam na ausência.
Disseram que aqueles que adotavam o meu partido eram assalariados por mim com o dinheiro que eu arrecadava do Espiritismo. Não mais tenho conhecido o repouso; mais de uma vez, sucumbi; sob o excesso do trabalho, tem-se-me alterado a saúde e comprometido a vida.
“Entretanto, graças à proteção e à assistência dos bons Espíritos, que sem cessar me têm dado provas manifestas de sua solicitude, sou feliz em reconhecer que não tenho experimentado um único instante de desfalecimento nem de desânimo, e que tenho constantemente prosseguido na minha tarefa com o mesmo ardor, sem me preocupar com a malevolência de que era alvo. Segundo a comunicação do Espírito Verdade, eu devia contar com tudo isso, e tudo se verificou.” - Allan Kardec

domingo, 28 de outubro de 2012

MENSAGEM DE BEZERRA DE MENEZES . Urge, pois, que todos os dirigentes espíritas procurem desenvolver mais e mais colaboradores.



Meus amigos e meus irmãos em Jesus, paz aos vossos corações e luz às vossas consciências.

Em regra, quando aí na Terra recebemos uma réstia de luz, julgamo-nos iluminados, ou, pelo menos, mais esclarecidos do que os nossos irmãos que da mesma centelha não partilharam. E partimos contentes, a proclamar a nossa dita, julgando-nos perto da conquista definitiva da Felicidade que almejamos. Pobre do homem! Pobre filho do pecado. Isto também me sucedeu. Bafejado pela iluminação de meu Guia, eu, mísero verme, mal saído do lodo, julgava-me mais perto do Céu – do céu que eu arquitetara.

E não sabia, como agora o sei, que essa luz só me foi concedida como fruto de misericórdia, justamente, porque sem ela eu fora mais falido do que os outros que a não possuíam! Pobre vaidade, estulto orgulho humano, que da própria esmola divina faz patrimônio de presunção! Aqui, chegados entretanto, vemos melhor estas coisas e então, e só então, nos convencemos de que mais é o negativo que o positivo do nosso esforço, ou, por outra, o que fizemos não é nada em relação ao que pudéramos fazer. Irmãos, amigos, companheiros, essa desilusão é comum aqui entre os que aí se presumem obreiros da salvação e aqui aportam com a sua bagagem do preconceito, julgando terem feito mais do que os seus irmãos. Outros, descansam à sombra dos primeiros louros colhidos e pensam mais no que fizeram do que no que deixaram de fazer! Engano, cegueira, fatalidade, eis que importa combate-la, concitando o discípulo do Evangelho a não considerar jamais terminado o seu dia de trabalho.

A luz, meus caros, que se nos dá, precisa ser difundida em prismas infinitos e vivificada pelos atos para que possa refletir neste plano, em nós e por nós. Não vos julgueis jamais melhor quinhoados no quadro dos filhos de Deus. Antes, pelo contrário, julgai sempre que a luz é intensa quanto mais próximos eles se encontram do abismo. Esta é a nossa, é a vossa, é a história de todos os filhos desta Terra de provação e de misérias, mas também Terra bendita de redenção, como celeiro das graças do Nosso Senhor Jesus-Cristo. A Ele pedimos por vós e por nós.

Paz e humildade, resignação e sacrifício, eis o que se vos pede para que a luz se não extinga em vossas almas.

Encerramos este capítulo com essas palavras de Bezerra de Menezes, que nos lembra da responsabilidade que temos diante do conhecimento que já usufruímos. Esse lembrete precisa ser aplicado, com determinação e continuidade, às nossas atividades de desenvolvimento do potencial dos colaboradores, pois, com certeza, precisaremos prestar contas dos talentos que recebemos.

A preparação dos colaboradores é uma forma de estarmos multiplicando os conhecimentos recebidos, colocando-nos em serviço e, conseqüentemente, sendo úteis no processo de continuidade da tarefa.

Urge, pois, que todos os dirigentes espíritas procurem desenvolver mais e mais colaboradores, oportunizando não apenas o crescimento do grupo, mas viabilizando o seu próprio crescimento espiritual.


Extraído de Reformador, de 1.1.1926, página 10, “Ditados”.

sábado, 6 de outubro de 2012

Méhémet-Ali, antigo paxá do Egito. Comunicação mediunica recebida nas sessões dirigidas por Allan Kardec em 16 de março de 1858.

 

Méhémet-Ali, antigo paxá do Egito

Revista Espírita, abril de 1858

Comunicação mediunica recebida nas sessões dirigidas por Allan Kardec em 16 de março de 1858.

1. Que vos animou a atender o nosso apelo?

- R. Para vos instruir.

2. Estais contrariado por estar vindo entre nós, e responder às perguntas que desejamos vos endereçar?

- R. Não; as que tiverem por objetivo a vossa instrução, eu consinto.

3. Que prova podeis nos dar da vossa identidade, e como poderemos saber que não é um outro Espírito que toma vosso nome?

- R. De que isso serviria?

4. Sabemos por experiência que Espíritos inferiores, freqüentemente, ostentam nomes supostos, e foi por isso que fizemos esse pedido.

- R. Eles ostentam também as provas; mas o Espírito que toma uma máscara se revela, também ele mesmo, por suas palavras.

5. Sob qual forma e em qual lugar estais entre nós?

- R. Sob a que leva o nome de Méhémet- Ali, perto de Ermance.

6. Estaríeis satisfeito se vos cedêssemos um lugar especial?

- R. Sobre a cadeira vazia.

Nota. Havia, perto dali, uma cadeira vazia à qual não se havia prestado atenção.

7. Tendes uma lembrança precisa da vossa última existência corporal?

- R. Não a tenho ainda

precisa; a morte deixou-me a sua perturbação.

8. Sois feliz?

- R. Não; infeliz.

9. Sois errante ou reencarnado?

- R. Errante.

10. Lembrai-vos o que foste antes de vossa última existência?

- R. Era pobre na Terra; invejei as grandezas terrestres; subi para sofrer.

11. Se pudésseis renascer na Terra, que condições escolheríeis de preferência?

- R. Obscura; os deveres são menores.

12. Que pensais agora da posição que ocupastes em último lugar na Terra?

- R. Vaidade do nada! Quis conduzir homens; soubesse eu conduzir a mim mesmo!

13. Diz-se que a vossa razão esteve alterada, desde há algum tempo; isso é verdade?

- R. Não.

14. A opinião pública aprecia o que fizestes pela civilização do Egito, e vos coloca na posição dos maiores príncipes. Com isso, experimentais satisfação?

- R. Que me importa! A opinião dos homens é o vento do deserto que levanta a poeira.

15. Vedes com prazer vossos descendentes caminharem na mesma senda, e vos interessais por seus esforços?

- R. Sim, uma vez que têm por objetivo o bem comum.

16. Reprovam-se-vos, no entanto, atos de uma grande crueldade: deles vos arrependeis agora?

- R. Eu os expio.

17. Vedes aqueles que haveis feito massacrar?

- R. Sim.

18. Que sentimentos experimentam por vós?

- R. O ódio e a piedade.

19. Desde que haveis deixado esta vida, revistes o sultão Mahmoud?

- R. Sim; em vão fugimos um do outro.

20. Qual sentimento experimentais, um pelo outro, agora?

- R. A aversão.

21. Qual é a vossa posição atual sobre as penas e as recompensas que nos esperam depois da morte?

- R. A expiação é justa.

22. Qual foi o maior obstáculo que tivestes de combater para o cumprimento dos vossos objetivos progressistas?

- R. Eu reinava sobre escravos.

23. Pensais que se o povo que governastes fosse cristão, teria sido menos rebelde à civilização?

- R. Sim; a religião cristã eleva a alma; a religião muçulmana não fala senão à matéria.

24. Quando vivo, vossa fé na religião muçulmana era absoluta? -

- R. Não; eu acreditava num Deus maior.

25. Que pensais disso agora?

- R. Ela não faz os homens.

26. Maomé tinha, segundo vós, uma missão divina?

- R. Sim, mas que a prejudicou.

27. Em que a prejudicou?

- R. Quis reinar.

28. Que pensais de Jesus?

- R. Este veio de Deus.

29. Qual dos dois, Jesus ou Maomé, que, segundo vós, tem feito mais para a felicidade da Humanidade?

- R. Por que o perguntais? Que povo Maomé regenerou? A religião cristã saiu pura das mãos de Deus; a religião maometana é a obra de um homem.

30. Credes uma dessas duas religiões destinada a se apagar de sobre a Terra?

- R. O homem progride sempre; a melhor permanecerá.

31. Que pensais da poligamia, consagrada pela religião maometana?

- R. É um dos laços que retêm na barbárie os povos que a professam.

32. Credes que a submissão da mulher esteja segundo os objetivos de Deus?

- R. Não; a mulher é igual ao homem, uma vez que o Espírito não tem sexo.

33. Diz-se que o povo árabe não pode ser conduzido senão com rigor, não credes que os maus tratos o embrutecem mais do que o submetem?

- R. Sim; é o destino do homem; ele se avilta quando é escravo.

34. Poderíeis nos reportar aos tempos da antigüidade, quando o antigo Egito estava florescente, e nos dizer quais foram as causas da sua decadência moral?

- R. A corrupção dos costumes.

35. Parece que fazeis pouco caso dos monumentos históricos que cobrem o solo do Egito; não compreendemos essa indiferença da parte de um príncipe amigo do progresso.

- R. Que importa o passado! O presente não o substituiria.

36. Consentiríeis em vos explicar mais claramente?

- R. Sim; não seria preciso lembrar ao antigo Egito degradado um passado muito brilhante: não o teria compreendido. Desdenhei o

que me pareceu inútil; não poderia me enganar?

37. Os sacerdotes do antigo Egito tinham conhecimento da Doutrina Espírita? -

R. Era a deles.

38. Recebiam manifestações?

- R. Sim.

39. As manifestações que obtinham os sacerdotes egípcios tinham a mesma fonte das que Moisés obtinha?

- R. Sim, ele foi iniciado por aqueles.

40. Por que as manifestações de Moisés eram mais poderosas o que as dos sacerdotes egípcios?

- R. Moisés queria revelar; os sacerdotes egípcios não tendiam senão a ocultar.

41. Pensais que a doutrina dos sacerdotes Egípcios tinha qualquer relação com a dos Indianos?

- R. Sim; todas as religiões mães estão ligadas entre si por laços quase invisíveis; decorrem de uma mesma fonte.

42. Qual é, das duas religiões, a dos Egípcios e a dos Indianos,

que é a mãe da outra?

- R. Elas são irmãs.

43. Como ocorre que vós, em vossa vida tão pouco esclarecido sobre estas questões, possa respondê-las com tanta profundidade?

- R. Em outras existências as aprendi.

44. No estado errante, em que estais agora, tendes, pois, pleno conhecimento das vossas existências anteriores?

- R. Sim, salvo da última.

45. Haveis, pois, vivido no tempo dos Faraós?

- R. Sim; três vezes vivi sobre o solo egípcio: sacerdote, mendigo e príncipe.

46. Sob qual reinado fostes sacerdote?

- R. É tão antigo! O príncipe era vosso Sesostris.

47. Pareceria, segundo isso, que não progredistes, uma vez que

expiais, agora, os erros da vossa última existência?

- R. Sim, progredi lentamente; era eu perfeito para ser sacerdote?

48. Foi porque fostes sacerdote naquele tempo, que pudestes nos falar, com conhecimento de causa, da antiga religião dos Egípcios?

- R. Sim; mas não sou bastante perfeito para tudo saber; outros lêem no livro do passado como num livro aberto.

49. Poderíeis nos dar uma explicação sobre o motivo da construção das pirâmides?

- R. É muito tarde.

(nota - Eram quase onze horas da noite.)

50. Não vos faremos mais do que essa pergunta; consenti em respondê-la, eu vos peço.

- R. Não, é muito tarde, essa pergunta conduzirá a outras.

51. Teríeis a bondade de nos responder numa outra ocasião?

-R. Eu não me comprometo.

52. Nós vos agradecemos, nada obstante, pela complacência com a qual consentistes em responder às nossas perguntas.

- R. Bem! Eu voltarei.

Fonte: Allan Kardec, Reve Spirite,Journal D'ÉTUDES PSYCHOLOGIQUES-Tradução: SALVADOR GENTILE; Revisão: ELIAS BARBOSA; 1a edição - 1.000 exemplares – 1993 FEB